Artigos/Dicas

02/04/15

A escola como parceira na educação alimentar

A educação deve ser entendida como um processo amplo e abrangente onde a formação dos padrões alimentares esta inserida

A fase pré escolar é um período crucial na formação de hábitos alimentares, que tendem a se estender na vida adulta, por isso a importância de estimular o consumo de uma alimentação variada e equilibrada

À medida que a criança começa frequentar outros ambientes, como o colégio, se inicia a socialização, onde novas influências são exercidas. Há uma grande tendência de repetir o comportamento de professores e de outras crianças, por isso a importância do incentivo de uma alimentação saudável em grupo.

Cabe a escola, como educadora participar desse processo não atendendo  apenas às necessidades nutricionais das crianças, mas também às psicológicas e sociais: de sentir prazer e alegria durante uma refeição; de partilhar e trocar alimentos entre colegas; de  aprender a preparar e cuidar do alimento com independência; de adquirir hábitos de higiene que preservam a boa saúde.

Cabe ressaltar que os pais são os responsáveis pela educação alimentar da criança, colégio funciona como um parceiro nesse processo, o padrão de sua alimentação envolve a participação efetiva dos pais como educadores nutricionais, bem como as estratégias adotadas por eles na hora da refeição.

Família e escola devem em parceria participar desse processo, fazendo com que o ato de se alimentar seja algo natural. Evitando o controle excessivo da comida e a obsessão por uma alimentação saudável, assim como o hábito de consumir de maneira exagerada  e descontrolada comida de má qualidade. Ambos são exemplos de uma obsessão por comida. A moderação e o equilíbrio são cruciais no desenvolvimento de bons hábitos alimentares.

Deve existir autoridade sem  autoritarismo, é importante uma postura delicada e firme com limites claros estabelecidos.

É através da referência e regras que se cria uma estrutura, muitas vezes respeitar as regras exige a criação de uma rotina, o que, por sua vez da às crianças uma sensação de segurança e, se elas se sentem mais seguras, maiores são as chances de que comam melhor. Essas regras oferecem orientação quanto à regulação de seus hábitos alimentares e à escolha de opções saudáveis. As regras minimizam as necessidades de negociação e discussão com os filhos.

O objetivo é criar crianças curiosas confortáveis com o hábito de experimentar coisas novas. É importante não desistir rápido, manter a calma e nunca utilizar a comida como recompensa, pois dessa maneira a criança vai entender que a comida é uma compensação por atitudes corretas.

A comida tem que ser prazer, não uma luta. Objetivo não é controlar o que eles comem, mas ensiná-los como comer bem. .As refeições podem ser um ato intrinsicamente social. Tanto as refeição em família como em ambiente escolar, pode ser um ritual diário que consolida os laços e estreita relações.